Open Banking
Open Banking

Implementação do Open Banking no Brasil

O vídeo a seguir explica em detalhe como foi o processo de publicação da regulação do Open Banking – A Resolução Conjunta n° 1, de 4/5/2020, do Banco Central do Brasil e pelo Conselho Monetário Nacional. Este processo contou com uma consulta pública que gerou mais de 500 sugestões das instituições representantes do sistema financeiro brasileiro.

De forma geral, a norma publicada regula as principais diretrizes, as responsabilidades, o escopo de dados e as regras de compartilhamento que compõem a dinâmica do Open Banking no Brasil. Ela também determina uma grande inovação: parâmetros operacionais, protocolos de tecnologia e segurança, entre outros processos operacionais que serão construídos junto com o mercado. Dessa forma, as instituições são protagonistas na criação da estrutura do Open Banking.

Outro ponto de destaque do vídeo é a divisão da implementação do Open Banking em quatro fases: na primeira, ocorre o compartilhamento de dados públicos das instituições participantes (dados sobre agências e tarifas de produtos mais tradicionais); na segunda, há a possibilidade do compartilhamento de informações por parte do indivíduo (CPF/CNPJ), como dados transacionais (dados de movimentação da conta corrente, por exemplo) e cadastrais (nome, telefone etc.); na terceira, observamos o compartilhamento de serviços (oferta de crédito e iniciação de pagamentos); e, na quarta e última fase, o compartilhamento de outros dados (seguros, previdência, investimentos, etc.) se torna possível.

A utilização do Open Banking será integral na última etapa, quando o compartilhamento dos dados mais simples aos mais complexos, e os desdobramentos dessa iniciativa, passarão a depender do comportamento dos usuários e das iniciativas que o mercado desenvolver (como a criação de novos produtos e serviços, e melhores condições ao cliente final).

Confira o vídeo do Banco Central que explica as fases de implementação do Open Banking no Brasil. 

O compartilhamento será implementado de forma gradual e em fases, de acordo com o nível de complexidade, a sensibilidade e a possibilidade de acesso aos dados compartilhados. Como regra, os dados de clientes e serviços poderão ser compartilhados com outras instituições participantes do Open Banking, sem a necessidade de celebração de contrato entre elas, mediante prévio consentimento do cliente. Crédito: Banco Central do Brasil.

Veja também

23 dicas de segurança para evitar fraudes online

A inovação da era digital trouxe uma grande onda de golpes na internet que têm transformado, diariamente, milhares de brasileiros em vítimas. Como a prevenção é sempre a melhor forma de escapar das tentativas de ...

4 tipos de golpes digitais e como se livrar deles

Já não é novidade que tentativas de fraudes digitais acontecem a todo momento e atingem qualquer tipo de organização. As mais comuns no mercado são aquelas relacionadas a roubo de identidade, clonagem de cartões e lavagem de ...

O que muda com o encaminhamento de proposta de crédito por meio do Open Banking

Tudo começa com uma demanda: você quer quitar uma dívida ou financiar um veículo. Antes do Open Banking, ou Sistema Financeiro Aberto, você precisaria ir atrás de opções de serviços em diferentes instituições para encontrar ...